Artigos

Casa de Ferreiro, Espeto de Pau!

por Gilmar Duarte – via e-mail 19.02.2018

A profissão de ferreiro já foi de grande importância para a produção de ferramentas para as tarefas diárias da humanidade. Mas nem todos se aproveitavam para o uso próprio.

As atividades precisam ser acompanhadas constantemente e o desempenho mensurado, pois com a medição periódica é possível atestar o mal desempenho, necessidade de mudar e/ou constatar que está fluindo de acordo com o planejamento.

A saúde das crianças recém-nascidas tem o acompanhamento mensal e imediatamente são tomadas medidas emergenciais se surgir qualquer complicação. Conforme o crescimento torna-se dispensável o acompanhamento tão próximo, mas periodicamente deve retornar ao médico. Já após os quarenta anos de idade é pertinente fazer o checkup anual e conforme o tempo passa a quantidade de exames aumentará.

Um atleta que deseja melhorar seus tempos, distância, força etc. para alcançar os pódios precisa registrar as marcas, analisar os resultados e implementar correções nos treinos para que no dia da prova alcance as metas. Receber o prêmio da primeira colocação pode ser o alvo, mas antes deverá passar por inúmeras etapas.

Isso também acontece em quaisquer outras atividades tais como nas entidades filantrópicas, governamentais e é claro nas empresas com a finalidade de crescer e obter lucro.

Medir as marcas atingidas e comparar com a média da concorrência (atleta ou empresas) não é sinônimo de sucesso, mas é necessário para conhecer como está o desenvolvimento e para proceder ajustes no formato da atividade, quando for preciso.

As empresas sabem da importância do balancete e demais demonstrativos ao final do mês, mas algumas não conseguem implementar e, portanto, desconhecem o desempenho nos diversos períodos. O ferreiro que utilizava espeto de pau para o uso particular é por que não acreditava na eficiência daquela ferramenta?

O empresário contábil tem habilidade para efetuar os registros dos atos e fatos patrimoniais, bem como analisar o desempenho com base nesses demonstrativos, pois esta foi a graduação e é este o serviço que presta aos clientes.

Esse profissional consegue compreender a saúde econômica e financeira das empresas com a simples leitura das Demonstrações Contábeis, inclusive com as relevantes Notas Explicativas.

Os Demonstrativos para o contador é como o espeto para ferreiro: sabe fazer e utilizar. Por que alguns ferreiros preferiam não valer-se do espeto de pau? As alegações eram muitas: não sobrava tempo para fazer o seu; custava caro, então preferia fazer somente para vender; fazia o espeto, mas considerava que poderia ser substituído por um simples de pau; ou acreditava que o espeto de ferro tirava o sabor do churrasco. Independente da alegação o que era transmitido ao mercado é que o profissional não acreditava no produto.

Sabe-se que há empresários contábeis que fazem apenas a “contabilidade fiscal”, ou seja, aquela exigida para atender os órgãos fiscalizadores e nunca a utiliza como ferramenta de gestão empresarial.

Quando isso acontece o grande prejudicado é o próprio empresário, pois perde inúmeras informações acerca da evolução do seu negócio e poderia fazer ajustes para que o desempenho seja melhor.

“Empresa de contador, demonstrativos inexistentes” é um lema que não deveria acontecer na prática, ao menos, para aqueles que consideram que “casa de ferreiro, espeto de pau” seja o sinônimo de profissional relapso.

Gilmar Duarte é contador, diretor do Grupo Dygran, palestrante, autor dos livros “Honorários Contábeis” e “Como Ganhar Dinheiro na Prestação de Serviços” e empresário do ramo contábil.

Com esta obra o pequeno e médio empresário terá condições de compreender a importância da precificação correta para a sobrevivência de qualquer organização e comprovará que a mesma é menos complexa do que parece, sentindo-se motivado a implantá-la na sua empresa prestadora de serviços!Totalmente atualizada e com linguagem acessível!  Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações.

Notícias e Enfoques

Como Regularizar CNPJ de MEI Cancelado?

Segundo o Comitê Gestor do Simples Nacional, foram cancelados os CNPJ dos microempreendedores individuais – MEIs, que não pagaram nenhuma guia mensal (DAS) nos anos de 2015 a 2017 e não entregaram as declarações anuais (DASN-Simei) referentes a 2015 e 2016.

A exclusão dos CNPJs com base nessas irregularidades está prevista no Estatuto da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte e será realizada periodicamente a partir deste ano.

Se você é MEI e não tem certeza sobre sua situação, a lista completa com todas os cancelamentos e suspensões pode ser consultada pela internet, no site do Portal do Empreendedor (portaldoempreendedor.gov.br).

Se você já tem certeza sobre a exclusão, é preciso acertar as contas com a Receita – mesmo que não exista o interesse em voltar à atividade.

“Os débitos migrarão automaticamente para o CPF vinculado e, enquanto não houver a regularização dos fatos, as obrigações e multas perdurarão”, alerta o Diretor de Comunicação da Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacon), Augusto Marquart Neto.

Está com dúvida sobre o processo de regularização? Confira as dicas do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo (Sescon/ES):

– Débitos, multas e declarações: Pelo Portal do Empreendedor, o MEI consegue verificar quais guias mensais (DAS) não foram pagas durante os últimos três anos e gerar os documentos para quitação. No site, também é possível consultar quais declarações anuais (DASN-Simei) não foram transmitidas e providenciar o preenchimento. “Além de entregar as declarações em aberto, o MEI terá de pagar multa no valor mínimo de R$ 50 por ano em atraso, ou de 2% ao mês calendário“, explica a presidente Dolores Zamperlini, do Sescon Espírito Santo.

– Parcelamento: Os MEIs que não conseguirem efetuar o pagamento à vista, podem solicitar o parcelamento dos débitos. A Receita Federal permite a divisão em até 60 meses, com valor mínimo de R$50 por prestação. “Essas regras valem para o parcelamento ordinário. Quando o Refis para as MPEs for aprovado, haverá desconto de multas e juros e os MEIs poderão renegociar”, destaca o presidente da Fenacon, Mario Elmir Berti. A entidade atua no Congresso Nacional para derrubar o veto presidencial ao Refis para as empresas do Simples.

– Reativação do CNPJ, licenças e alvarás: “Uma vez cancelado, não existe como reativar o mesmo CNPJ. Para voltar a atuar, o empreendedor terá que realizar um novo cadastro como MEI”, explica Fulano de Tal. Nesse caso, se a atividade exercida pelo MEI exigir outras licenças e alvarás, em órgãos municipais ou estaduais, será preciso obtê-las novamente.

IMPORTANTE! Mesmo sem quitar as dívidas do CNPJ cancelado, o MEI consegue realizar um novo cadastro no programa e se manter no mercado formal. “Mas é extremamente importante que o pagamento seja feito, pois todos os impostos, contribuições e penalidades permanecerão em aberto no CPF do titular”, alerta Dolores Zamperlini. Em longo prazo, os débitos também podem comprometer a saúde financeira do novo empreendimento.

Fonte: Fenacon – 19.02.2018 (adaptado)

Veja outros detalhamentos sobre tributação de MEIS no tópico Microempreendedor Individual – MEI, no Guia Tributário Online.