Notícias de Contabilidade

Notícias Contábeis 09.07.2013

GUIA CONTÁBIL ON LINE

Provisões

Equivalência Patrimonial

Cisão, Fusão e Incorporação de Sociedades

ARTIGOS E TEMAS

Necessidade de Capital de Giro

Vantagem da Escrituração Contábil – Lucro Presumido

Controles Internos na Produção para Evitar Fraudes, Erros e Ineficiências

NOTÍCIAS E DESTAQUES

Sistema Tributário Complexo Inviabiliza Informações Precisas em Nota Fiscal

ENFOQUES TRIBUTÁRIOS

Cisão, Fusão e Incorporação de Sociedades – Aspectos Gerais

Perda no Recebimento de Créditos

ISS – Aspectos Gerais e Lista de Serviços

PUBLICAÇÕES ATUALIZÁVEIS

Plano de Contas Contábil

Imposto de Renda Retido na Fonte

Como Formar uma Equipe de Auditores Internos

Notícias de Contabilidade

Notícias Contábeis 20.09.11

GUIA CONTÁBIL ON LINE
Avaliação de Estoques
Distribuição de Lucros ou Dividendos
Terceiro Setor – Formação do Patrimônio Social
EDUCAÇÃO CONTINUADA
Capital de Giro nos Negócios
Aquisição de Fundo de Comércio – Cuidados e Dicas
Comissão Vinculada ao Recebimento da Venda – Contabilização
REDES SOCIAIS
Também estamos presentes no Facebook. Seja amigo do Portal de Contabilidade!
Você também pode acompanhar as principais notícias da área contábil seguindo o Twitter Guia Contábil.
Atualize-se pelo Blog Guia Contábil lendo as últimas notícias e os enfoques relevantes que afetam a contabilidade.
PROCURA-SE NOVOS TALENTOS
Divulgue Esta Oportunidade e Ajude a Encontrar Novos Talentos!
PUBLICAÇÕES ATUALIZÁVEIS
Contabilidade Gerencial
Manual de Franquia Empresarial
Apuração de Custos e Formação do Preço de Venda
Notícias de Contabilidade

Notícias Contábeis 19.07.11

 

REDES SOCIAIS
Também estamos presentes no Facebook. Seja amigo do Portal de Contabilidade!
Você também pode acompanhar as principais notícias da área contábil seguindo o Twitter Guia Contábil.
Atualize-se pelo Blog Guia Contábil lendo as últimas notícias e os enfoques relevantes que afetam a contabilidade.
Contabilidade

Artigo: Necessidade de Capital de Giro

NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO

Reinaldo Luiz Lunelli*

A necessidade de capital de giro é função do ciclo de caixa da empresa. Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de capital de giro é maior e vice-versa. Assim, a redução do ciclo de caixa – em resumo, significa receber mais cedo e pagar mais tarde – deve ser uma meta da administração financeira.

Entretanto, a redução do ciclo de caixa requer a adoção de medidas de natureza operacional, envolvendo o encurtamento dos prazos de estocagem, produção, operação e vendas. O cálculo através do ciclo financeiro possibilita mais facilmente prever a necessidade de capital de giro em função de uma alteração nas políticas de prazos médios ou no volume de vendas.

CAPITAL DE GIRO

Capital de giro é o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem (girar). Existe a expressão “Capital em Giro”, que seriam os bens efetivamente em uso.

Em geral de 50 a 60% do total dos ativos de uma empresa representam a fatia correspondente a este capital. Além de sua participação sobre o total dos ativos da empresa, o capital de giro exige um esforço para ser gerido pelo administrador financeiro maior do que aquele requerido pelo capital fixo.

O capital de giro precisa ser acompanhado e monitorado permanentemente, pois está sofrendo o impacto das diversas mudanças no panorama econômico enfrentado pela empresa de forma contínua.

As dificuldades relativas ao capital de giro numa empresa são devidas, principalmente, à ocorrência dos seguintes fatores:

Redução de vendas Crescimento da inadimplência Aumento das despesas financeiras Aumento de custos

Denominando-se de “aplicação permanente” as contas não circulantes do ativo e de “fonte permanente” as contas não circulantes do passivo, define-se como Capital de Giro (CDG) a diferença entre as fontes permanentes e aplicações permanentes.

O Capital de Giro também é um conceito econômico – financeiro e não uma definição legal, constituindo uma fonte de fundos permanente utilizada para financiar a Necessidade de Capital de Giro.

O Capital de Giro apresenta-se razoavelmente estável ao longo do tempo. O Capital de Giro diminui quando a empresa realiza novos investimentos em bens do ativo imobilizado (aumento dos imobilizados).

Todavia, esses investimentos são, em geral, realizados através de “Autofinanciamento” (empréstimos a longo prazo, aumento do capital em dinheiro e lucros líquidos) que por sua vez, aumentam o Capital de Giro (aumento das fontes permanentes) compensando, aproximadamente, a diminuição provocada pelos novos investimentos.

O Capital de Giro pode ser negativo. Neste caso, as aplicações permanentes são maiores do que as fontes permanentes, significando que a empresa financia parte de seu ativo não circulante com fundos de curto prazo. Embora esta condição aumente o risco de insolvência, a empresa poderá se desenvolver, desde que sua Necessidade de Capital de Giro seja, também negativa.

Em Contabilidade, existe o Capital de Giro Circulante, que seria a diferença do Ativo Circulante e do Passivo Circulante, grupos de contas do Balanço Patrimonial. Esse indicador é decomposto em diversos demonstrativos e relatórios contábeis, que se combinados com a Demonstração dos Fluxos de Caixa, acrescentam informações financeiras de uso gerencial.

Os conceitos financeiros e contábeis provieram de pontos clássicos da Economia. O Capital Circulante, sob essa abordagem, é um conceito criado como o oposto do Capital Fixo. Adam Smith e principalmente David Ricardo, foram os primeiros a estudar essa matéria de uma forma científica, própria da Ciência Econômica.

* Reinaldo Luiz Lunelli é Contabilista, Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios, Auditor, Consultor de empresas com experiência contábil, tributária e societária. É professor universitário e membro da redação dos sites Portal Tributário e Portal de Contabilidade. Autor de diversas obras técnicas contábeis e tributárias, tais como o material atualizável sobre a Análise das Demonstrações Financeiras.