Artigos

Evolução em serviços contábeis, e na profissão contábil, proporcionados pela Tecnologia da Informação

Há algum tempo surgem notícias considerando que os serviços tradicionais prestados por empresas contábeis podem estar “com os dias contados”.

Os argumentos constantes nessas publicações não comentam sobre qualquer característica dos serviços fornecidos por essas empresas. Apresentam que, com a evolução e maior disponibilização da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), ou apenas como muitos conhecem, a Informática, poderá substituir essas empresas, em seus principais serviços.

Dessa forma, as empresas que seriam clientes delas, poderiam, a um custo menor, realizar as mesmas atividades. A consequência seria as empresas fornecedoras de serviços contábeis terem grandes dificuldades em permanecer com os clientes atuais, sem ainda adentrar nos aspectos de prospecção de clientes, o que seria, talvez, praticamente impossível.

Esses comentários não podem ser desconsiderados pelas empresas prestadoras de serviços contábeis. É preciso que elas busquem apoio, justamente na TIC, como forma muito relevante de aprimorar os serviços prestados.

É importante destacar que essas empresas prestam serviços em três áreas tradicionais: contábil, tributária, e relativos a encargos sociais e previdenciários decorrente de relações trabalhistas. Com a soma dessas esferas, além de outros conhecimentos, as empresas contábeis também contribuem na melhoria de vários aspectos inerentes à gestão empresarial.

Até por imposição do governo, cada vez mais a TIC está sendo utilizada como forma de impor a apresentação de determinados relatórios contábeis, tributários, de encargos sociais e previdenciários. Portanto, mesmo que alguma dessas empresas não fizesse a escolha por utilizar a TIC como apoio a suas atividades, estão, cada vez mais, utilizando-as através dos programas da Receita Federal e de outros órgãos governamentais.

Muito ao contrário do que apregoam as notícias e comentários apresentados a algum tempo, não somente pela imposição legal de órgãos públicos, as empresas prestadoras de serviços contábeis estão utilizando mais (e não menos) a TIC como componente importante na execução de seus serviços. Dessa forma, essas empresas buscam ampliar suas capacidades em aproximar suas relações com as empresas clientes.

Vários mecanismos de aproximação, via TIC, entre as atividades realizadas pelas empresas clientes e as prestadores de serviços contábeis estão ocorrendo, o que permite, por exemplo, a execução dos serviços com maior exatidão e rapidez.

Além de proporcionar essa exatidão e rapidez, a TIC permite para os profissionais contábeis, com o apoio da Ciência Contábil e de outras que podem ser utilizadas concomitante, o aprimoramento na gestão de informações existente nos diversos relatórios contábeis e tributários.

Permite aos profissionais gerar informações que são de enorme relevância na gestão empresarial, tais como: identificação do custo de produção; formação do preço de venda; mecanismos de relações com clientes e fornecedores, permitindo que a prestação de serviços sejam efetuadas de acordo com as necessidades dos clientes e, além disso, permite também que os profissionais contábeis contribuam, não somente no atendimento de aspectos tributários, previdenciários e burocráticos, mas, inclusive, com análise de novas perspectivas de negócios.

Outros aspectos cada vez mais importante proporcionado pelo intensivo apoio da TIC são análises quanto a gestão tributária. Nesse aspecto, permite análise sobre várias decisões relevantes para a gestão empresarial, tais como:

Qual o fornecedor que permite a obtenção de maiores créditos tributários?

Qual a opção tributária que permite menores gastos com tributos?

De quais formas lícitas pode-se utilizar de planejamento visando reduzir a carga tributária?

Todos esses aspectos, evidente que existem outros, são permitidos, justamente, pela junção especializada de conhecimentos contábeis, aliados a outros pertinentes a cada situação, com a intensiva utilização da TIC pelas empresas que prestam serviços contábeis. Portanto, são cada vez maiores as contribuições que essas empresas, e a profissão contábil, possam proporcionar para a melhoria da gestão empresarial de seus clientes e, por consequência, de toda a sociedade, em seus mais diversos aspectos.

Autores:

Valter da Silva Faia – Bacharel em Ciências Contábeis, Mestre e doutorando em Administração e Professor na Universidade Estadual de Maringá.

Nilton Facci – Bacharel em Ciências Contábeis, Mestre em Contabilidade e Doutor em Administração Pública e Governo.

Lucro Real x Presumido x Simples Nacional 

Mais informações

Análise prática dos regimes de tributação

ComprarClique para baixar uma amostra!

Notícias e Enfoques

CFC Manda Ofício para Globo em Protesto a Ofensa à Classe

O Conselho Federal de Contabilidade enviou, nesta segunda-feira (6), ofício à TV Globo, em que protesta e pede a retratação da empresa por ofensa à classe.

A ofensa foi proferida, em horário nobre, numa fala de um personagem de novela Sol Nascente.  O personagem, interpretado pelo ator Francisco Cuoco, afirmou que “advogado e contador é tudo trambiqueiro”.

O documento encaminhado ao diretor do Departamento de Teledramaturgia da emissora, Silvio de Abreu, foi assinado pelo presidente do CFC, Martonio Alves Coelho.

Veja adiante a íntegra do ofício:

oficio-crc-globo

Fonte: FENACON.

Artigos

Defasagem da Tabela do IRF Acumula mais de 80%

Por Júlio César Zanluca – contabilista e coordenador do Portal de Contabilidade

Segundo cálculos do Sindifisco (tabela abaixo), a tabela do imposto de renda da pessoa física vigente em janeiro/2017 está com defasagem de mais de 80%, decorrente da aplicação de reajustes inferiores à inflação no período de 1996-2016.

Isto faz com que os contribuintes paguem mais imposto, a cada ano. É o que chamo de “custo-Estado”, ou seja, para tapar os enormes gastos (leia-se desperdícios e corrupções) públicos, temos, a cada ano, que pagar mais impostos.

Até quando a sociedade brasileira aguentará tal fúria sobre os rendimentos dos trabalhadores, aposentados e demais cidadãos que dependem de seus parcos rendimentos para sustentarem-se a si e seus familiares?

Porque os sindicatos e centrais sindicais laborais, ao invés de organizarem violentos protestos contra a contenção de gastos do governo, não protestam contra a alta dos tributos, a defasagem da tabela do IRF e outras maracutaias para inflar a arrecadação dos governos federal, estaduais e municipais? Deveriam exigir eficiência nos gastos, combate à corrupção, redução da máquina governamental e das mordomias, privilégios e impunidades. Ou estariam os sindicatos laborais agindo deliberadamente contra o empregado e a geração de renda? É isso o que me dá a entender, pelas ações que fizeram em 2016: sindicatos e centrais trabalhando CONTRA o empregado, e não a seu favor!

Além da Lava-Jato, precisamos de uma reforma estrutural deste Estado que engole a Nação Brasileira, carreando cada vez mais recursos para si e engolindo a iniciativa privada. São mais de R$ 2 trilhões por ano recolhidos de tributos, com pífios retornos para a sociedade (alguém está satisfeito com as estradas, com o atendimento da saúde pública e com a segurança?).

defasagem-tabela-irf

Fonte da imagem: Sindifisco/2017.

Utilize a Contabilidade como Ferramenta de Gestão Empresarial! Fluxo de Caixa, custos, ponto de equilíbrio, orçamento e outros temas de gerenciamento das empresas. Exemplos de como utilizar a contabilidade para administração de negócios! Clique aqui para mais informações. Contabilidade Gerencial

Mais informações

Utilize os dados de sua empresa para gerar lucros!

ComprarClique para baixar uma amostra!

Artigos

O Excesso das Obrigações Tributárias Acessórias

por Júlio César Zanluca – Contador e coordenador do site Portal de Contabilidade

Fazer negócios em nosso país não é simples, pois a burocracia e as exigências legais sobrecarregam as atividades produtivas e personificam os obstáculos ao crescimento econômico que a miopia da laia política governante faz de conta que não existem.

Dentre as inúmeras exigências do fisco para uma empresa no Brasil estão as denominadas “obrigações tributárias acessórias”, que correspondem a informações, declarações e demonstrativos fiscais e contábeis que deverão ser cumpridas pelo contribuinte, além da obrigação tributária principal (pagamento do tributo devido).

Recomendo aos gestores checarem se as mesmas estão sendo cumpridas a contendo e nos prazos adequados, para evitarem-se multas e outros transtornos gerados pela ausência da entrega ou mesmo erros nos dados digitados e transmitidos.

As obrigações são uma sopa de siglas e exigências, como EFD, ECFDCTF, DIRF, DIMOB, etc. cujos prazos de entrega exigem agilidade na coleta de informações. São centenas de declarações, com minúcias estapafúrdias e de exigência duplicada em outros informes.

O ideal é fazer um mapeamento, por empresa, das obrigações a serem entregues, de forma a facilitar o cumprimento das mesmas. Algumas empresas (por exemplo, optantes pelo Simples Nacional) tem dispensa de entrega de determinadas declarações, enquanto outras (como as optantes pelo Lucro Presumido e Lucro Real) devem cumpri-las de modo rigoroso.

O contribuinte deverá ter muita atenção ao preencher os informes. O banco de dados da Receita Federal está cada vez mais informatizado e o contribuinte deverá se cercar de todas as cautelas possíveis, treinando os funcionários que realizam a coleta de dados e o preenchimento das declarações, de forma a minimizar os riscos de uma futura autuação fiscal e desembolsos financeiros desnecessários.

Admitamos e convenhamos: há um excesso destas obrigações. A RFB também encurta os prazos de exigência, como no caso da DIRF/2017, cujo prazo final de entrega, sem multa, foi antecipado para 15.02.2017 (até este ano, o prazo era o último dia útil do mês de fevereiro).

Ainda em 2016 (a partir de 01 de dezembro), exigir-se-à o Bloco K (Controle de Estoques) das empresas de bebidas e fumo. Porém, a partir de 2019 todas empresas sujeitas às normas do IPI serão obrigadas a escriturarem referido controle.

Onde irá parar esta avalanche burocrática? Para os burocratas, isto não importa. Para os contadores e demais profissionais da área de gestão empresarial, isto cria um custo desnecessário, encarecendo os produtos e serviços. É a realidade: nenhum serviço é de graça, alguém tem que pagar pelo trabalho, e todos sabemos muito bem quem paga: o consumidor final, que cada vez se vê diante de altos preços devido à insanidade com que se a iniciativa privada é tratada este país.

Como atender as diversas obrigações impostas às empresas. Mapeamento das exigências das legislações comercial e tributária. Atualização garantida por 12 meses! Clique aqui para mais informações.  Esta obra é dirigida a gestores de RH, contabilistas, empresários, advogados, consultores e outros profissionais que lidam com tributação, alertando-se que o tema é muito dinâmico e o correto acompanhamento das nuances e aplicabilidade das desonerações é imprescindível por parte destes profissionais.Clique aqui para mais informações.

Artigos

Mais Respeito com as Ciências Contábeis e nossos Profissionais! – Parte 2

por Fernando Alves Martins 

Assistindo o Jornal da Record do dia 29/06/2016, uma reportagem me chamou a atenção:

“Quadrilha de tráfico de drogas e armas é presa no interior de São Paulo”

Fonte: http://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/quadrilha-de-trafico-de-drogas-e-armas-e-presa-no-interior-de-sao-paulo-29062016

lista

A imagem acima e a expressão dada a este rascunho/anotação: “Os investigadores encontraram uma espécie de Contabilidade do Crime”.

Façamos um teste! Acessem o GOOGLE e digite a frase “contabilidade do tráfico”. Já possui até imagens de rascunhos relacionando a CONTABILIDADE.

Em 2015 escrevia meu primeiro artigo sobre o desrespeito com as tratativas dada as Ciências Contábeis “Contabilidade” Criativa?

Um ano se passou, escrevi o segundo artigo Mais Respeito com as Ciências Contábeis e Nossos Profissionais!

Como entristece ouvirmos a Mídia, por desconhecimento talvez, vir desvirtuando as Ciências Contábeis!

Entristece mais ainda, não percebermos uma ação afetiva de nossos representantes, seja os Conselhos; Sindicatos; Federações; Academia Brasileira de Ciências Contábeis; Academia de Ciências Contábeis de todos os Estados; Associações Contábeis; entre outros.

Mas também fico animado, pois vejo que lá em 2015 escrevia que “Uma andorinha só não faz verão”, e hoje vejo que já não estou sozinho nessa causa, pois já encontramos belos artigos publicados:

Profissionais Contábeis; Contadores; Contabilistas; Consultores; Professores; Palestrantes; Mestres e Doutores Contábeis; Universidades; Faculdades; Empresas de Consultoria; Desenvolvedores de Sistemas Contábeis; Sites, Portais, Blogs, Fórum; Amantes e Defensores da CONTABILIDADE, vamos nos unir e fazer como o exemplo do Srº. Sergio Fernandes Junior em seu belíssimo Artigo Contabilidade da Propina: Como assim?!:

Por fim, se os órgãos não se atentam a isto, restam aos bravos contadores que labutam diariamente nas suas próprias obrigações, sempre que possível, bradarem contra este tipo de associação, ainda que involuntária, da nossa tão amada contabilidade com qualquer prática criminosa ou ilegal. Atualmente é muito simples fazer contato com repórteres, colunistas e redatores, geralmente seus emails estão disponíveis na própria assinatura da matéria, e sempre existem meios de comunicação viáveis, quem sabe uma mera correspondência sugerindo um novo enfoque ou terminologia não seja o suficiente, ainda que de pouco em pouco, mudar este tipo de emprego do termo “contabilidade”?

E para encerrar, voltemos novamente lá em 2015 – A nova Contabilidade: “Contabilidade Criativa ou Contabilidade do Crime Organizado”:

Assim como ocorreu há um tempo com as manifestações dos médicos referente ao termo utilizado pela Mídia “corria risco de vida”, quero também como nosso colega Ismail Pereira Barbosa (Espaço do Contabilista FOLHA DO CRCPR – Ano 14 – fev/2014 – Edição nº. 75), ver a Mídia dizer simplesmente “controle do tráfico”; “anotações do tráfico”; “roubo criativo”; “jeitinho criativo” e jamais afirmar que isso é Contabilidade. 

Fernando Alves Martins é Contador. Graduado em Ciências Contábeis pela UNESPAR/FECEA – Apucarana/PR. Pós-Graduado em Gestão Financeira, Contábil e Auditoria pela INBRAPE/FECEA – Apucarana/PR e Direito Previdenciário pela Damásio Educacional S/A. – Unidade Apucarana/PR. Contador na empresa Bortolloti Ind. e Com. de Móveis Ltda. (HB Móveis). Estando entre os 05 (Cinco) inscritos e aprovados para ocupar 02 (duas) cadeiras na Academia de Ciências Contábeis do Estado do Paraná (ACCPR) no ano de 2015.

ffernandoam@brturbo.com.br

contabilidade@hbmoveis.com.br

Artigos, Contabilidade

Mais Respeito com as Ciências Contábeis e Nossos Profissionais!

Por Fernando Alves Martins – Contabilista

Um ano se passou desde a publicação do Artigo Contabilidade Criativa ou do Crime Organizado e podemos perceber pouco avanço a respeito!

Vimos na mídia tratando rascunhos como sendo “Contabilidade” – escrevi sobre o assunto e até o momento não percebemos nossa Classe Contábil unida e se manifestando de forma mais objetiva a respeito.

Vejamos: 

1) Aécio chama ajuste fiscal de Joaquim Levy de ‘contabilista’;

Fonte: http://oglobo.globo.com/brasil/aecio-chama-ajuste-fiscal-de-joaquim-levy-de-contabilista-16217897

“é extremamente rudimentar, de um contabilista, que se baseia só na questão fiscal e esquece que as pessoas se levantam todos os dias e precisam comer e ir trabalhar”. 

Neste caso o CFC publicou uma Nota de Repúdio:

Fonte: http://portalcfc.org.br/noticia.php?new=21235 

Por sua vez o Senador Aécio Neves, através do chefe de gabinete enviou apenas um “e-mail” em resposta à NOTA DE REPÚDIO.

Fonte: http://www.portalcfc.org.br/noticia.php?new=21266 

Sinceramente, eu achei um absurdo! Apenas um e-mail está ótimo, assinado pelo chefe de gabinete. Mas como não temos Representantes no Congresso Nacional, não podemos exigir muito!!!

2. Novamente nossos trabalhos são questionados, ou até mesmo utilizados em uma defesa de mais um Réu na Operação “Lava Jato”

Quem assistiu o Jornal da Record recentemente, percebeu o desrespeito para com os Contadores ou até mesmo com as CIÊNCIAS CONTÁBEIS, como segue:

  • Marqueteiro do PT diz que usava contas secretas no exterior mas nega ter recebido propina:

Segundo o Jornal, o Marqueteiro João Santana disse: “que foi um erro de Contabilidade!”

Já o Advogado de Defesa, Fábio Tofic Simantob: “O João não sabe disso! O João é um criador! O João não trabalha com questão financeira, questão bancária…”

Fonte: http://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/marqueteiro-do-pt-diz-que-usava-contas-secretas-no-exterior-mas-nega-ter-recebido-propina-25022016

  • Polícia encontra indícios que marqueteiro do PT recebeu no Brasil dinheiro de empreiteira:

Vejamos o que dizem os Advogados Tributaristas contratados pelo marqueteiro.

Segundo Igor Nascimento de Souza: “A empresa cresceu, o faturamento da empresa aumentou, mas o que aconteceu com as obrigações contábeis dela, foi que ela continuou aquela empresa gerenciada, empresa familiar e que tem uma contabilidade bastante rudimentar…”

Fonte: http://noticias.r7.com/jornal-da-record/videos/policia-encontra-indicios-que-marqueteiro-do-pt-recebeu-no-brasil-dinheiro-de-empreiteira-26022016

Novamente, vemos a palavra rudimentar!

Agora pergunto, se a contabilidade é rudimentar, não existiu uma fiscalização do Órgão responsável da Classe Contábil?

E olha que estamos falando de “faturamento” de no mínimo R$ 24.200.000,00 (Vinte e Quatro Milhões e Duzentos Mil reais) por ano. Neste valor vultuoso estão somente os pagamentos efetuados.

Quem não queria ter ou ser o profissional contábil de uma empresa familiar com um faturamento como este?

3) “Contabilidade paralela”, foi este o termo que infelizmente a Mídia utilizou para“nomear” as Planilhas da Odebrecht encontradas na 26ª fase da Operação Lava Jato:

Vejamos as reportagens:

4) E por fim, recebido de um amigo Contador, na data de hoje:

MC Rodolfinho – Contabilidade (Áudio Oficial) 

Fazendo a contabilidade de várias de cem, vamo lá vai…”

Fontes:

https://www.youtube.com/watch?v=8Se6iRFFl90

http://www.vagalume.com.br/mc-rodolfinho/contabilidade.html

No mínimo preocupante o desrespeito com as Ciências Contábeis e com todos os profissionais da Área!

O que será que está faltando para que nossa Classe Contábil seja mais valorizada e respeitada perante toda a Sociedade? Quem sabe um “criador” como o João Santana? Creio que não!

Fernando Alves Martins

Contador. Graduado em Ciências Contábeis pela UNESPAR/FECEA – Apucarana/PR. Pós-Graduado em Gestão Financeira, Contábil e Auditoria pela INBRAPE/FECEA – Apucarana/PR e Direito Previdenciário pela Damásio Educacional S/A. – Unidade Apucarana/PR. Contador na empresa Bortolloti Ind. e Com. de Móveis Ltda. (HB Móveis). Estando entre os 05 (Cinco) inscritos e aprovados para ocupa 02 (duas) cadeiras na Academia de Ciências Contábeis do Estado do Paraná (ACCPR) no ano de 2015.

Artigos

Como Você Enxerga os Líderes das Associações da Classe Contábil?

(artigo enviado pelo autor em 01.12.2014)

Em todos os movimentos existem os bons e os maus e não é justo que sejam colocados todos no mesmo cesto. Neste artigo homenageio àqueles que empenham-se pela valorização da classe empresarial contábil.

Há muitos anos acompanho o trabalho realizado pelos sindicatos e associações dos contabilistas do Brasil e já chamei a atenção, em um artigo, daqueles que se “empoleiram nas cadeiras” sem produzir qualquer coisa de útil, mas hoje quero enaltecer o outro lado, o lado daquelas pessoas que são a grande maioria e tem realizado magnífico trabalho pela valorização da classe que dignamente representam.

Todos sabem da luta para compor a diretoria, pois poucos sentem-se capacitados ou disponíveis para dedicar algumas horas da semana em favor de seus colegas. Mas depois é significativa a parcela dos que reclamam. Claro que os associados podem e devem criticar o trabalho dos abnegados líderes voluntários, mas juntamente com as críticas (construtivas) também devem apresentar propostas para os problemas levantados.

Outro ponto a ser destacado é que diversos julgamentos vêm de pessoas não associadas. Filiar-se a uma organização que luta para defender a classe e proporcionam condições de trabalho mais digna deveria ser uma exigência de todos e não a súplica dos líderes. Sabemos que normalmente associam-se menos de 10% da classe, e isto é muito pouco.

Em qualquer roda de empresários contábeis, independente se é formada de pequenas ou grandes empresas, facilmente conclui-se que a principal missão da entidade patronal é criar condições para que o trabalho seja mais valorizado. Dizem ainda que os concorrentes prostituem os honorários, fazendo com que seja impossível executar bons serviços com o valor proposto pelo mercado.

Ouvindo essas observações os líderes das associações fazem a leitura perfeita: oferecem treinamentos para os contabilistas serem melhores gestores. Assim disponibilizam treinamentos como: marketing contábil, precificação dos serviços e formação de consultores.

A expectativa é de encerrar as inscrições logo nos primeiros dias do lançamento do curso, como acontece com os treinamentos para conhecer as mudanças nos Sped’s, alterações do Simples Nacional ou do Imposto de Renda. Mas para a surpresa de todos ficam lugares vazios na plateia. Os pequenos empresários contábeis e mais especialmente os novos, muitas vezes ainda não sabem gerir o seu negócio e por este motivo praticam preços deploráveis e trabalham com um “burro”, percebe-se a ausência.

Caros lideres, a luta é grande e somente pessoas bem determinadas atingem seus objetivos e portanto deixam uma marca na história da entidade que nunca será apagada. Certamente que os associados conseguem distinguir o joio do trigo, ou seja, reconhecer os bons lideres.

Gilmar Duarte da Silva é contador, diretor do Grupo Dygran, palestrante, autor do livro “Honorários Contábeis” e membro da Copsec do Sescap/PR. 

Atenção: o autor aceita sugestões para aprimorar o artigo, no entanto somente poderá ser publicado com as modificações se houver a prévia concordância do autor.

Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações. Como Fixar Honorários Contábeis

Mais informações

Pague em até 6x sem juros no cartão de crédito!

ComprarClique para baixar uma amostra!

Artigos

Siglas e Expressões que Fizeram (e Fazem) a História

Júlio César Zanluca

Para manter viva a memória histórica recente do Brasil, tentei decifrar exatamente o que significam (bem no fundo) algumas siglas e expressões. Espero, desta forma, ajudar os historiadores, daqui a 100 anos, a entender melhor o que aconteceu aqui neste paraíso político e social, onde corre um boato que povo diz estar “satisfeito” com os regentes máximos e democraticamente eleitos…

Nota: não coloquei em ordem alfabética pois “ordem e progresso” está em desuso…

PETROBRÁS – Grande Organização Extrativa Estatal Empresarial, cheia de recursos, antes próspera, em visível colapso financeiro, devido a “pequenas retiradas”, “maracutaias”, “compra e venda de Pasadenas” e outras “engenharias financeiras” praticadas pelos “Grandes Camaradas” no início do século XXI.

ONG – Organização Nunca de Graça. Grupo de camaradas reunidos “em prol da solidariedade” (dos próprios bolsos). Recebem polpudas verbas federais para os nobres fins a que se destinam: aplicar (para si próprio e para terceiros desconhecidos) os recursos intermináveis da grande nação Brasil.

MST – Movimento Salve o Terror. Você leu certo, é “Salve O Terror” e não “Salve DO Terror”. Precisa explicar mais?

CPMF – Contribuições Para os Maiores e Fortes. Espoliação financeira praticada até 2007, que consistia em tirar o dinheiro das classes assalariadas e transferi-lo, através de “engenharia financeira”, para determinados camaradas.

Jeca Tatu – sujeito que não sabe de nada, que não viu nada, que não pensa nada…

Índice de Popularidade – número irracional que teoricamente indica o nível de satisfação dos palhaços do circo com o presidente do sindicato da respectiva classe.

TF – Tá Feio.

PLM – Projeto de Lei da Mordaça. Grande ideia visando impedir a divulgação de fatos que sejam contra a versão oficial do governo (inclusive artigos como este…) – assim a felicidade de todos aumentará pelas lindas lendas que ouvem, o povo não precisará mais ler e terá mais tempo para assistir BBB (Big Bobeira Brasil*).

RGT – Rede Glaucoma de Televisão. Emissora de alcance nacional, com programas tipo BBB – que dizem ser de alto conteúdo intelectual e educativo. Só se for da inteligência dos macacos…

Camaradas – rede de amigos do dinheiro público, tem cargos importantes no governo e ajudam os mágicos a iludir a plateia. Como não fazem nada além de discursos e fotos, resolveram ocupar seu tempo útil inventando maneiras (e testando-as com sucesso) de enriquecerem através de “engenharia financeira”, onde o dinheiro é transferido (através da Petrobrás, dos Correios, ONGs e outros malabarismos) das contas públicas para as contas particulares deles.

“Companheiros e Companheiras” – expressão usada para “puxar a orelha” dos liderados em discursos fechados – mas em discursos públicos quer dizer “não preste atenção, só vou falar bobagens mesmo…”

DIRMA – Sucessora de um Grande Chefe, não se sabe se será santificada ou não…

Grandes Chefes: Chávez, Fidel e Lula (em ordem de auterego). Os três auto proclamaram-se “benfeitores da humanidade”. Segundo eles e os maiores bajuladores existentes na terra, promoveram a paz entre os povos e a democracia (Chávez), as liberdades políticas e de expressão (Fidel) e o combate à corrupção (Lula) em escalas sem precedentes verificadas neste planeta…

“Nunca antes na história deste país” – expressão usada por um dos Grandes Chefes para destacar o período áureo no Brasil, de 2003-2010, onde a luz brilhava para todos, o povo estava feliz (assistindo BBB), se pagavam poucos impostos (quase 100), não havia corrupção no governo e um grande número de “camaradas” foram alçados da pobreza para a riqueza, a toque de caixa (usando o dinheiro da generosa coletividade nacional).

Grande Camarada – pessoa de alto nível de influência, amiga das que mandam num determinado país. É mais que camarada, é realmente da “elite política”, têm o poder de mandar, desmandar e intimidar. Passam o tempo fazendo discursos, bajulando os Grande Chefes, defendendo os demais camaradas dos injustos ataques da imprensa e inventando reuniões e comissões. Quando não há nada mais para fazer tomam um jato e vão para a Europa passear, fazer compras, entre outras coisas importantes.

Santa Inquisição – tribunal que julga as ideias e pensamentos das pessoas, retornou do passado para assombrar os brasileiros do século XXI, através do PLM. Uma de suas primeiras vítimas foi Boris Casoy, sumariamente condenado por falar a verdade, somente a verdade. O objetivo do tribunal é extirpar os “impuros”: qualquer um que ouse pensar ou expressar algo contra a fé genuína e pura instalada pelos Grandes Camaradas.

BOLA – Bolsa-Esmola – grande ideia para engabelar um povo. Consiste em dar esmolas como se benefícios fossem, vendendo a imagem que o governo é muito competente, amigo e simpático, se importa com os pobres, etc. Quem falar contra este sistema será apedrejado, por cometer o crime de ser “burguês”, “capitalista”, “herege” entre outros pejorativos. É a santa fé do Brasil atual, absolutamente intocável, indiscutível.

CPMF2014 – Copa do Mundo de Futebol 2014 – arena instalada para entretenimento do povo, que já está se cansando do BBB e de outros espetáculos chatos. Não importa o custo: grandes “coliseus” foram erguidos com dinheiro público (que anda sobrando com os recordes de arrecadação de impostos) – tudo, é claro, superfaturado. O objetivo é que todos pensem nas emoções das grandes e mirabolantes jogadas, esquecendo-se inteiramente das realidades atuais. Afinal, o que importa é ter o povo contente (“pão e circo”: BOLA + CPMF2014) não é mesmo?

Mensalão – espécie de Bolsa Família, onde os “Grandes Camaradas” compravam palhaços de circo para estes dançarem conforme sua música. Dizem que nunca existiu, que é invenção da imprensa e de um tal Jefferson nos idos anos 2005, visando denegrir a imagem de um dos Grandes Chefes. Afinal, daqui a 100 anos, talvez, alguém vai descobrir os verdadeiros fatos e desvendar os mistérios das relações entre os palhaços, os Grandes Camaradas e os Jecas Tatus. Mas houve um tal de Joaquim Barbosa que se recusou a ser um Jeca Tatu e acabou com o “espetáculo”.

SF – Sanatório Federal. Lugar onde 81 representantes tribais (apelidados “senadores”) se reúnem, para fumar, bajular e aprovar (nem todos) as ideias dos Grandes Chefes e dividir as verbas que restaram. Nota: as reuniões ocorrem 2 ou 3 vezes por semana em Brasília, exceto nas férias, nos recessos, nos feriados e em outras ocasiões frequentes, como carnaval e dia de padroeiros. Nota 2: os representantes das tribos recebem polpudas quantias para desempenharem suas nobres funções, além de outros benefícios secretos que talvez alguns historiadores do futuro venham descobrir com maior exatidão…

CF – Comédia Federal. Espécie de circo nacional, com apresentações somente em Brasília. Tem 513 artistas (apelidados “deputados”) que, bem pagos, tratam de apresentar de forma divertida coisas úteis para a nação, como “o Dia da Linguiça”, “homenagem ao Chávez” (da TV, é claro) e outros assuntos populares. Circula um boato que é o circo mais caro do mundo, custa bilhões de reais por ano, pagos pela generosa nação Brasil. Localiza-se no mesmo prédio onde está o SF.

CSS – Confisco dos Salários e Soldos. Variante da CPMF, que, segundo alguns, irá recuperar a saúde (dos bolsos dos “camaradas”).

PMDB – Povo Mobilizado para os Direitos dos Brasilianistas. Grupo de elite (apesar de se intitularem “do povo”) cujo principal objetivo é conseguir cargos no governo, em troca de qualquer coisa, inclusive de suas convicções. Circulam em Brasília.

PSDB – Pessoas Saudáveis Doutores de Bacanas. Gente de alto nível (financeiro), gostam de juros altos e de inventar formas novas formas de impostos (como a CPMF). Estão desesperados para voltar ao poder. Segundo fofocas, são de oposição (a quem?).

DEM – Danados, Errantes e Mancos. Sigla em extinção. Não tenho como explicá-la, que o façam outros historiadores mais sábios e ilustres…

PT – Peritos Tributadores. Classe social emergente, nobre, cheia de camaradas, Grandes Camaradas e assemelhados. Surgiram da evolução da sanguessuga direto para o Brasil – sem qualquer estágio intermediário. Amam criar tributos e insultar quem não pensa como eles, pois se arrogam donos da verdade, juram nunca terem mentido a ninguém… A riqueza, prosperidade e nobreza desta classe advém de cargos oficiais e da majestosa distribuição de recursos tirados dos tributos pagos por todas as demais classes sociais inferiores…

“Comissão da Verdade” – comissão criada para “apurar a verdade, somente a verdade”. Mas esqueceram de incluir na pauta a verdade sobre a Petrobrás, as ONGS, o Correio, o Mensalão, o MST …

Precisa mais?

Reprodução deste artigo é permitida e aconselhável.

* sugestão do significado da sigla BBB dada por Ricardo via e-mail. Obrigado, Ricardo!