Artigos

Balanço – Obrigatoriedade nas Licitações Públicas

Conforme disposto na  Lei 8.666/1993 (Lei das Licitações) a administração pública deverá, quando da qualificação econômico financeira, verificar o Balanço Patrimonial e as Demonstrações Contábeis do último exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da empresa.

O Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira da entidade. O principal objetivo deste demonstrativo é apresentar de forma organizada e ordenada os registros que afetaram o patrimônio da empresa, de modo a facilitar o conhecimento e a análise da real situação financeira desta.

A lei exige que o Balanço seja levantado no fim de cada exercício financeiro que geralmente coincide com o fim do ano civil, 31 de dezembro.

Para o Balanço Patrimonial ter validade ele precisa ser elaborado em conformidade com a legislação comercial, societária e fiscal em vigência na data de seu encerramento.

Os ditames societários para o encerramento do balanço como a forma de classificação, avaliação e as demonstrações obrigatórias são detalhados na Lei 6.404/1976, atualizada recentemente para obedecer ao padrão internacionalmente aceito. Está é, portanto, a Lei das Sociedades por Ações; também aplicável às demais entidades.

Observe-se que a escrituração contábil e o levantamento do Balanço Patrimonial são obrigações que alcançam todas as entidades empresárias, independentemente de porte ou forma de constituição.

Assim, mesmo para as empresas tributadas pelo regime simplificado de apuração (Simples Nacional) é possível exigir os informes contábeis e patrimoniais, como das demais entidades.

A única segregação que se faz é que, para as empresas em geral, o conjunto completo de demonstrações contábeis é muito mais abrangente que para as microempresas e empresas de pequeno porte; bastando para estas a apresentação do Balanço Patrimonial, da Demonstração do Resultado do Exercício e das Notas Explicativas, conforme regulamenta a Resolução CFC 1.418/2012.

Conciliações, Controles e Encerramento das Demonstrações Financeiras. Atualizado de acordo com a Lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007. Abrange as principais contas contábeis e tópicos que merecem atenção especial no momento da elaboração das demonstrações financeiras. Cada conta é analisada individualmente e traz o detalhamento para a sua conciliação e os controles internos necessários. Clique aqui para mais informações. Manual Prático de Contabilidade 

Mais informações

ComprarClique para baixar uma amostra!

 

Notícias de Contabilidade

Notícias Contábeis 01.10.2013

GUIA CONTÁBIL ON LINE

Patrimônio Líquido

Adiantamentos a Fornecedores

Históricos Padronizados na Escrita Contábil

ARTIGOS

Dupla Contabilidade: e os Honorários?

Grandes Problemas ou Grandes Oportunidades?

NOTÍCIAS E DESTAQUES

Câmara Pode Derrubar Orientação da Receita Federal

Receita Sofre Mais Críticas por Exigir Duas Contabilidades

ENFOQUES TRIBUTÁRIOS

FAP – Publicados os Índices para 2014

Manual de Orientações do Contribuinte – MOC – CT-e

Simples Nacional – Atenção para os Tributos não Abrangidos pelo Regime

TEMAS RELEVANTES DO MÊS ANTERIOR

O Real Objetivo da Contabilidade

Exigibilidade das Demonstrações Contábeis na Licitação

Linha de Produção para as Empresas de Contabilidade Funciona?

PUBLICAÇÕES ATUALIZÁVEIS

Auditoria Gerencial

Manual de Retenção do ISS

Cálculo do Lucro Real Trimestral

Notícias e Enfoques

Notícias Contábeis 27.08.2013

GUIA CONTÁBIL ON LINE

Reembolsos de Despesas

Demonstração do Valor Adicionado – DVA

Aquisição de Bens para o Ativo Imobilizado de Pequeno Valor

SISCOSERV

SISCOSERV: Alteradas Normas e Prazo de Entrega do Demonstrativo

ARTIGOS E TEMAS

Exigibilidade das Demonstrações Contábeis na Licitação

Falta de Registros Contábeis Prejudica Gestão Empresarial

ENFOQUES TRIBUTÁRIOS

Planejamento Tributário: a Indispensável Contabilidade

PIS e COFINS – Créditos Sobre Depreciação de Edificações e Benfeitorias

PUBLICAÇÕES ATUALIZÁVEIS

Auditoria Gerencial

Manual de Retenção do ISS

Microempreendedor Individual

Artigos, Contabilidade

Exigibilidade das Demonstrações Contábeis na Licitação

por Reinaldo Luiz Lunelli – contabilista, auditor, consultor de empresas, professor universitário, autor de diversos livros de matéria contábil e tributária e membro da redação dos sites Portal Tributário e Portal de Contabilidade.

Em conformidade com o artigo 31, inciso I da Lei 8.666/93 a administração pública deverá, quando da qualificação econômico financeira, verificar o balanço patrimonial e as demonstrações contábeis do último exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da empresa.

Assim, vale salientar que Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira da entidade. O principal objetivo deste demonstrativo é apresentar de forma organizada e ordenada os registros que afetaram o patrimônio da empresa, de modo a facilitar o conhecimento e a análise da real situação financeira desta.

Exigibilidade das Demonstrações Contábeis

A primeira análise que se faz é quanto à exigibilidade dos informes contábeis, em especial, do Balanço Patrimonial.

A lei exige que o Balanço seja levantado no fim de cada exercício financeiro que geralmente coincide com o fim do ano civil, 31 de dezembro. No entanto, pode ser levantado mais de uma vez por determinação de Estatuto Social, que é a forma jurídica das Sociedades Anônimas (S/A), mas isto também é pouco comum.

Em janeiro os contadores recebem toda a documentação fiscal da empresa relativa a dezembro e com isso, devem realizar a escrituração dos fatos contábeis e fazer a conciliação bancária, para então realizar os últimos ajustes e revisões para o encerramento das demonstrações contábeis.

A data limite de apresentação do Balanço Patrimonial de um exercício financeiro será sempre até 30 de abril do ano subsequente aos fatos registrados; a partir daí, os informes anteriores perdem a sua validade. Exemplificado, entendamos que o Balanço patrimonial de 2012, encerrado em 31/12/2012 precisa ser levantado até 30/04/2013 e terá validade até 30/04/2014 quando a partir desta será exigido o Balanço e as demonstrações contábeis de 2013.

No entanto, ressalva-se que, após a criação do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) para as empresas sujeitas à tributação do imposto de renda com base no lucro real a validade do Balanço patrimonial se estendeu até o último dia útil do mês de junho do ano seguinte, conforme prevê o art. 5º da Instrução Normativa RFB nº 787/07.

Temos assim, duas datas limites, uma para as entidades tributadas com base no lucro real e abrangidas pelo SPED e outra para as demais empresas. Apesar do SICAF (Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores) ter como data de validade o dia 30 de junho, fica o alerta da exigência legal.

A escrituração contábil e o levantamento do Balanço Patrimonial são obrigações que alcançam todas as entidades empresárias, independentemente de porte ou forma de constituição. Assim, mesmo para as empresas tributadas pelo regime simplificado de apuração (Simples Nacional) é possível exigir os informes contábeis e patrimoniais, como das demais entidades.

A única segregação que se faz é que, para as empresas em geral, o conjunto completo de demonstrações contábeis é muito mais abrangente que para as microempresas e empresas de pequeno porte; bastando para estas a apresentação do Balanço Patrimonial, da Demonstração do Resultado do Exercício e das Notas Explicativas, conforme regulamenta a Resolução CFC 1.418/2012.

Conciliações, Controles e Encerramento das Demonstrações Financeiras. Atualizado de acordo com a Lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007. Abrange as principais contas contábeis e tópicos que merecem atenção especial no momento da elaboração das demonstrações financeiras. Cada conta é analisada individualmente e traz o detalhamento para a sua conciliação e os controles internos necessários. Clique aqui para mais informações.

Manual Prático de Contabilidade

Mais informações

 Clique para baixar uma amostra!

Notícias de Contabilidade

Notícias Contábeis 22.01.2013

PLANO DE CONTAS – COSIF

Carta Circular BACEN 3.582/2013 – Cria títulos e subtítulo contábil no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional (Cosif) para controle do cumprimento da exigibilidade de recolhimento compulsório.

GUIA CONTÁBIL ON LINE

Bonificação em Mercadorias

Exportações – Tratamento Contábil

Plano de Contas para a Atividade Industrial

ARTIGOS E TEMAS

A Força do Treinamento

Exigibilidade e Formalidades das Demonstrações Contábeis para fins de Licitação

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA

Simples Nacional – Cuidados com a Distribuição de Lucros

IRPF – Doação Dedutível ao Fundo da Criança e do Adolescente vai até 30/Abril!

IR – Contratos de Mútuo com Pessoas Jurídicas

PUBLICAÇÕES ATUALIZÁVEIS

Auditoria – Teoria e Prática

Análise das Demonstrações Financeiras

Planejamento Tributário – Lucro Presumido/Real/Simples

Governo

Balanço – Comprovação para fins de licitação

Através do Ofício Circular DNRC 383/2011, o Departamento Nacional do Registro do Comércio solicitou à Secretaria de Logística e de Tecnologia da Informação – SLTI do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão medida temporária que permitisse às empresas comprovarem suas situações econômico-financeiras, constantes de balanços patrimoniais, perante as unidades cadastradoras do SICAF, para fins de participação em licitações, até que as Juntas Comerciais regularizem a autenticação dos livros digitais.

A solicitação foi admitida e as unidades cadastradoras estão recebendo o balanço patrimonial impresso e assinado pelo responsável pela empresa e pelo contador, com a apresentação do protocolo que comprove o envio do balanço digital à Junta Comercial da unidade da federação correspondente, até que a situação nesses órgãos seja resolvida.

Essa medida visa eliminar a pressão para a autenticação dos livros digitais em
curtíssimo prazo, para fins de participação em licitações.