Artigos, Atualização Legal

Reforma Trabalhista: Comentários de Algumas Mudanças

Além de alterar normas sobre fériasjornada de trabalhoremuneraçãocontrato de trabalhovínculo empregatícioimposto sindical – há outras nuances da Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017) que precisam ser focados pelo gestor, tais como:

Obrigação de Prevenção de Doenças e Acidentes

O empregador deverá instruir os empregados, de maneira expressa e ostensiva, quanto às precauções a tomar a fim de evitar doenças e acidentes de trabalho.

O empregado deverá assinar termo de responsabilidade comprometendo-se a seguir as instruções fornecidas pelo empregador.

Sucessão Empresarial

Caracterizada a sucessão empresarial ou de empregadores, as obrigações trabalhistas, inclusive as contraídas à época em que os empregados trabalhavam para a empresa sucedida, são de responsabilidade do sucessor.

A empresa sucedida responderá solidariamente com a sucessora quando ficar comprovada fraude na transferência.

Vestimentas de Trabalho

Cabe ao empregador definir o padrão de vestimenta no meio ambiente laboral, sendo lícita a inclusão no uniforme de logomarcas da própria empresa ou de empresas parceiras e de outros itens de identificação relacionados à atividade desempenhada.

A higienização do uniforme é de responsabilidade do trabalhador, salvo nas hipóteses em que forem necessários procedimentos ou produtos diferentes dos utilizados para a higienização das vestimentas de uso comum.

Teletrabalho

Considera-se teletrabalho a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.

As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, manutenção ou fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do trabalho remoto, bem como ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado, serão previstas em contrato escrito.

As utilidades mencionadas não integram a remuneração do empregado.

Veja também, no Guia Trabalhista Online os seguintes tópicos que mencionam de forma prática algumas das alterações da Reforma Trabalhista:

Recomendamos, ainda a leitura da obra:

Manual da Reforma Trabalhista

Reforma Trabalhista na Prática

Mudanças na CLT – Teoria e Prática da Reforma Trabalhista

Saiba o que mudou e como gerir na prática as mudanças!

Artigos

Reforma Trabalhista e eSocial Trazem Desafios para 2018

Profissionais devem investir em aperfeiçoar qualificação e desenvolver competências multidisciplinares para atender às demandas que serão cobradas da categoria

Se 2017 foi um ano de muitas mudanças para os profissionais de contabilidade, do departamento de pessoal e de recursos humanos, principalmente no que diz respeito à legislação trabalhista, 2018 promete desafios ainda maiores.

É hora de arrumar a casa, adequar processos, buscar soluções inovadoras e entender mais do negócio.

Afinal, com a entrada do eSocial e a automatização do envio das obrigações trabalhistas e previdenciárias, as atividades operacionais requerem o auxílio de novas qualificações que o profissional de contabilidade tem que incorporar ao seu perfil.

Nesta seara, entre os principais desafios para o profissional contabilista estão a mudança de cultura e a conscientização dos seus clientes, avalia Marcia Ruiz Alcazar, presidente do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo (CRC-SP).

“Primeiro porque, na prática, o eSocial exige que se cumpram todas as regras vigentes, porém, de forma digital. Será exigida uma atenção maior por parte do empregador. Os erros serão mais difíceis de serem corrigidos e é preciso ter muito mais qualidade no envio das informações a serem declaradas”, complementa.

“Esta adequação envolve tanto mudanças em procedimentos operacionais na área pessoal, como mudanças envolvendo sistemas de informática, bem mais complexos, e principalmente o envolvimento e entendimento dos clientes quanto a estas novas normas e processos”, explica a presidente.

Certamente as atividades operacionais não deixarão de ter espaço, pois na prática estão mantidas todas as etapas envolvendo as rotinas trabalhistas, como admissões, férias, rescisões, afastamentos, documentos e cálculos trabalhistas.

O que muda, comenta Márcia, é que estes processos devem seguir estritamente os prazos legais, por exemplo, no registro da admissão do funcionário.

“Existirá uma mudança significativa na forma de processamento das informações. Dados que eram retrabalhados anualmente passam a ser informados no dia a dia, com fechamento mensal. Isso acontecerá, por exemplo, no caso da DIRF, entre outras. Sem dúvida, isso trará uma integração muito maior com todos os processos de controle social e, em contrapartida, exigirá uma qualidade da informação de altíssimo nível. Os profissionais deverão ser mais especialistas nas questões trabalhistas e os serviços auxiliares com baixa qualificação técnica perderão espaço”, pontua a presidente.

“Além disso, estes eventos serão compartilhados com o eSocial em tempo real, de forma que passa a ser necessário um controle rigoroso da execução dos trabalhos e do envio para o sistema, bem como a validação completa de dados cadastrais, que podem gerar problemas no envio das informações para o eSocial”, diz.

Desafios

As dificuldades que ainda estão por vir serão inúmeras. “Por mais preparados que possamos estar, dependemos de fatores externos e alheios à nossa vontade. Por exemplo, a infraestrutura tecnológica oferecida ainda é instável e o sistema cai por congestionamento, impossibilitando a transmissão dos arquivos. Não cumprir prazos gera penalidades e isso exigirá mobilização das entidades organizadas dos diversos setores econômicos para reivindicarem as concessões necessárias”, indica Márcia, acrescentando que prevê que os profissionais irão vivenciar essa situação daqui a cinco anos, quando as multas pela falta de entrega começarem a ser expedidas pela Receita Federal.

“Se as grandes empresas tiveram dificuldades, em um ambiente com recursos e equipe abundantes, imagine no ambiente das pequenas e médias empresas onde tudo é mais difícil e escasso”, pondera.

Lembrando que o eSocial é totalmente executado em ambiente tecnológico que precisa estar bem definido e formatado para que os resultados sejam obtidos com segurança e rapidez, a presidente do CRC-SP, avalia que este mesmo ambiente tecnológico (sistema) pode e deve ser utilizado como ferramenta de gestão, acompanhando os trabalhos executados, analisando a produtividade da equipe, monitorando prazos e servindo de ferramenta para alinhamento e melhoria de processos executados.

“Com essa nova plataforma de controle social, o Sped e-Social, o conceito de uma única entrada de dados suprindo todos os processos fica muito mais fortalecido. Nesse sentido, a tecnologia ajuda a definir padrões, evita interpretações equivocadas, simplifica a linguagem e aumenta a capacidade operacional”, diz.

Fonte: Fenacon – 25.04.2018

Conheça a Nova Obrigação Acessória para os Empregadores que será exigida a partir de 2015! Assuntos atualizados de acordo com a legislação. Ideal para administradores de RH, contabilistas, advogados, auditores, empresários, consultores, juízes, peritos, professores, fiscais, atendentes de homologação sindical e outros profissionais que lidam com cálculos trabalhistas.

Conheça e Prepare-se para a Nova Obrigação Acessória Exigida dos Empregadores 

Manual Versão 2.4 – A partir de Março/2018

Notícias e Enfoques

Novas Alterações para o Simples/2018

As regras relativas ao Simples Nacional e ao Microempreendedor Individual (MEI) foram profundamente alteradas a partir de 2018 pela Lei Complementar nº 155/2016, a exemplo dos novos limites de faturamento, da instituição da tributação progressiva, do fator “r” para as empresas prestadoras de serviços e da entrada, no Simples Nacional, das atividades de indústrias de bebidas alcoólicas, matérias já regulamentadas pela Resolução CGSN nº 135, de 22/08/2017 e noticiadas pela Receita Federal.

Em 4 de dezembro o Comitê Gestor do Simples Nacional aprovou as últimas regulamentações das matérias que entram em vigor em 1º de janeiro de 2018, por meio das Resoluções CGSN nºs 136 e 137, publicadas no Diário Oficial da União.

SUBLIMITES DE ICMS E ISS

A Resolução CGSN nº 136 divulgou os sublimites vigentes para efeito de recolhimento de ICMS e ISS no Simples Nacional no ano-calendário de 2018, com os seguintes valores:

  •  R$ 1.800.000: Acre, Amapá e Roraima
  •  R$ 3.600.000: demais Estados e Distrito Federal

O limite anual de faturamento para figurar na condição de optante pelo Simples Nacional a partir de 2018 será de R$ 4.800.000. No entanto, para fins de recolhimento do ICMS e ISS, terão vigência os sublimites acima descritos. A empresa que superar esses sublimites deverá quitar referidos impostos diretamente junto ao Estado, Distrito Federal ou Município.

A Resolução CGSN nº 137 dispôs sobre as demais matérias, a seguir descritas.

SALÕES DE BELEZA

A partir de 2018, os valores repassados aos profissionais de que trata a Lei nº 12.592/2012 (salões de beleza), contratados por meio de parceria, nos termos da legislação civil, não integrarão a receita bruta da empresa contratante para fins de tributação, cabendo ao contratante a retenção e o recolhimento dos tributos devidos pelo contratado.

Foram criadas duas novas figuras, o salão-parceiro e o profissional-parceiro.

O salão-parceiro não poderá ser MEI.

O salão-parceiro deverá emitir ao consumidor documento fiscal unificado relativo às receitas de serviços e produtos neles empregados, discriminando-se as cotas-parte do salão-parceiro e do profissional parceiro.

O profissional-parceiro emitirá documento fiscal destinado ao salão-parceiro relativamente ao valor das cotas-parte recebidas.

A receita obtida pelo salão-parceiro e pelo profissional-parceiro deverá ser tributada na forma prevista no Anexo III da LC 123/2006, quando aos serviços e produtos neles empregados, e no Anexo I da LC 123/2006, quanto aos produtos e mercadorias comercializados.

Será considerada como receita auferida pelo MEI que atue como profissional-parceiro a totalidade da cota-parte recebida do salão-parceiro.

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

A partir de 1º de julho de 2018, a microempresa e a empresa de pequeno porte que tiver empregado necessitará de certificado digital para cumprir com as obrigações da GFIP ou do eSocial.

A empresa poderá cumprir com referidas obrigações com utilização de código de acesso desde que tenha apenas (um) empregado, e que utilize a modalidade online.

ALTERAÇÃO NA NOMENCLATURA DAS OCUPAÇÕES PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

O CGSN determinou o acréscimo do termo “independente” em todas as ocupações do MEI.

Entende-se como independente a ocupação exercida pelo titular do empreendimento, desde que este não guarde, cumulativamente, com o contratante do serviço, relação de pessoalidade, subordinação e habitualidade.

NOVAS OCUPAÇÕES PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)
A partir de 2018 foram autorizadas as seguintes ocupações:

APICULTOR(A) INDEPENDENTE
CERQUEIRO(A) INDEPENDENTE
LOCADOR(A) DE BICICLETAS, INDEPENDENTE
LOCADOR(A) DE MATERIAL E EQUIPAMENTO ESPORTIVO, INDEPENDENTE
LOCADOR(A) DE MOTOCICLETA, SEM CONDUTOR, INDEPENDENTE
LOCADOR(A) DE VIDEO GAMES, INDEPENDENTE
VIVEIRISTA INDEPENDENTE
PRESTADOR(A) DE SERVIÇOS DE COLHEITA, SOB CONTRATO DE EMPREITADA, INDEPENDENTE
PRESTADOR(A) DE SERVIÇOS DE PODA, SOB CONTRATO DE EMPREITADA, INDEPENDENTE
PRESTADOR(A) DE SERVIÇOS DE PREPARAÇÃO DE TERRENOS, SOB CONTRATO DE EMPREITADA, INDEPENDENTE
PRESTADOR(A) DE SERVIÇOS DE ROÇAGEM, DESTOCAMENTO, LAVRAÇÃO, GRADAGEM E SULCAMENTO, SOB CONTRATO DE EMPREITADA, INDEPENDENTE
PRESTADOR(A) DE SERVIÇOS DE SEMEADURA, SOB CONTRATO DE EMPREITADA, INDEPENDENTE

OCUPAÇÕES SUPRIMIDAS PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

A partir de 2018 deixarão de ser autorizadas para o MEI as seguintes ocupações: ARQUIVISTA DE DOCUMENTOS, CONTADOR(A)/TÉCNICO(A) CONTÁBIL e PERSONAL TRAINER.

O MEI que atue nessas atividades terá que solicitar seu desenquadramento no Portal do Simples Nacional.

O desenquadramento de ofício dessas ocupações por parte das administrações tributárias poderá ser efetuado a partir do segundo exercício subsequente à supressão da referida ocupação.

OCUPAÇÃO ALTERADA PARA O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

A ocupação de GUINCHEIRO INDEPENDENTE (REBOQUE DE VEÍCULOS) passará a ter incidência simultânea de ICMS e de ISS a partir de 2018.

PROCESSAMENTO DE DECLARAÇÕES RETIFICADORAS DO PGDAS-D

As declarações retificadoras que visem a reduzir débitos deixarão de ser consideradas quando houver parcelamento deferido para o mesmo período. Esse impedimento já ocorria quando os débitos haviam sido remetidos anteriormente para a dívida ativa.

LANÇAMENTOS DE OFÍCIO POR PRÁTICA REITERADA

Quando constatada omissão de receitas ou sua segregação indevida, sem a verificação de outras hipóteses de exclusão, a administração tributária poderá, a seu critério, caracterizar a prática reiterada em procedimentos fiscais distintos.

A medida, a critério da administração tributária, permitirá um primeiro lançamento fiscal dentro do Simples Nacional, procedendo-se à exclusão pela prática reiterada no segundo procedimento fiscal no mesmo contribuinte.

INSCRIÇÃO EM DÍVIDA ATIVA DE DÉBITOS LANÇADOS FORA DO SEFISC

Os débitos de ICMS ou de ISS lançados fora do Sistema Único de Fiscalização e Contencioso do Simples Nacional (Sefisc), nas hipóteses autorizadas pelo CGSN (artigo 129 da Resolução CGSN nº 94/2011), serão inscritos em dívida ativa estadual, distrital ou municipal pelo respectivo ente federado.

Fonte: Portal do Simples Nacional.

Manual do Super Simples, contendo as normas do Simples Nacional - Lei Complementar 123/2006. Contém as mudanças determinadas pela LC 128/2008. Atualização garantida por 12 meses! Clique aqui para mais informações. Manual do Simples Nacional 

Mais informações

Atualizado com as regras para vigorarem em 2018!

ComprarClique para baixar uma amostra!

Notícias e Enfoques

Conheça as Mudanças para o Simples em 2018

Diversas alterações foram promovidas no Simples Nacional, para vigorarem a partir de 2018. Listamos algumas das mais importantes:

Ampliação da Receita Bruta

A EPP optante pelo Simples Nacional em 31 de dezembro de 2017 que durante o ano-calendário de 2017 auferir receita bruta total anual entre R$ 3.600.000,01  e R$ 4.800.000,00, continuará automaticamente incluída no Simples Nacional com efeitos a partir de 1º de janeiro de 2018, com impedimento de recolher o ICMS e o ISS no Simples Nacional, e ressalvado o direito de exclusão por comunicação da optante.

Na hipótese de a receita bruta anual acumulada em 2017 ultrapassar em mais de 20% (vinte por cento) o limite de R$ 3.600.000,00, o contribuinte deverá comunicar sua exclusão de forma tempestiva e, desde que não ultrapasse o valor de R$ 4.800.000,00, poderá apresentar novo pedido de opção em janeiro de 2018.

MEI

Aumento do limite de receita bruta anual do MEI (microempreendedor individual) de R$ 60.000,00 para R$ 81.000,00.

Novas Tabelas e Cálculo

Haverá novas tabelas de apuração do Simples Nacional, que passará a ser apurado através de alíquota efetiva.

As novas tabelas passarão ter novas faixas e alíquotas, bem como uma parcela a deduzir em cada faixa.

O valor devido mensalmente pela ME ou EPP optante pelo Simples Nacional será determinado mediante aplicação das alíquotas efetivas calculadas sobre a base de cálculo. Ou seja, em relação a 2017, não haverá aquele “salto” do Simples devido quando ultrapassado determinado limite de receita.

Neste caso a tabela funcionará como a atual tabela do Imposto de Renda na Fonte, com a coluna “valor a deduzir” após o cálculo da alíquota em que a receita deve ser submetida.

Receita Bruta na Exportação

A ME ou EPP deverá segregar as receitas decorrentes de exportação para o exterior, inclusive as vendas realizadas por meio de comercial exportadora ou sociedade de propósito específico, quando então serão desconsiderados, no cálculo do Simples Nacional, conforme o caso, os percentuais relativos à COFINS, à Contribuição para o PIS/PASEP, ao IPI, ao ICMS e ao ISS constantes nas tabelas.

Para fins de opção e permanência no Simples Nacional, poderão ser auferidas em cada ano-calendário receitas no mercado interno até o limite de R$ 4.800.000,00 e, adicionalmente, receitas decorrentes da exportação de mercadorias ou serviços para o exterior, inclusive quando realizada por meio de comercial exportadora ou da sociedade de propósito específico, desde que as receitas de exportação também não excedam R$ 4.800.000,00.

Recolhimento do ICMS e ISS

A EPP que ultrapassar qualquer sublimite de receita bruta acumulada, seja no mercado interno ou em decorrência de exportação para o exterior, estará automaticamente impedida de recolher o ICMS e o ISS na forma prevista no Simples Nacional, a partir do mês subsequente àquele em que tiver ocorrido o excesso, relativamente aos seus estabelecimentos localizados na unidade da federação de vigência do sublimite, sendo retroativo seus efeitos no caso de início de atividade.

Entretanto, o impedimento não retroagirá ao início de atividade se o excesso verificado em relação à receita bruta acumulada não for superior a 20% (vinte por cento) dos sublimites referidos, hipótese em que os efeitos do impedimento dar-se-ão tão somente a partir do ano-calendário subsequente.

ICMS e o ISS voltarão a ser recolhidos na forma prevista no Simples Nacional no ano subsequente, caso no Estado ou Distrito Federal passe a vigorar sublimite de receita bruta superior ao que vinha sendo utilizado no ano-calendário em que ocorreu o excesso da receita bruta, exceto se o novo sublimite também houver sido ultrapassado.

Manual do Super Simples, contendo as normas do Simples Nacional - Lei Complementar 123/2006. Contém as mudanças determinadas pela LC 128/2008. Atualização garantida por 12 meses! Clique aqui para mais informações. Manual do Simples Nacional 

Mais informações

Contém as mudanças do Simples para 2018

ComprarClique para baixar uma amostra!

 

Artigos

Cansei! Falta-me Disposição para Acompanhar a Evolução

 

Por Gilmar Duarte

Pessoas com dificuldade para acompanhar o processo evolutivo do mundo, perdidas e com vontade de desistir são mais fáceis de encontrar do que imaginamos.

Estes sentimentos também ocorrem com você?

O agricultor pegava a enxada e trabalhava o dia todo, sentia-se produtivo e conseguia gerar o sustento da família.

Surgiram novas ferramentas e especialmente máquinas que impulsionaram imensamente a produção.

O que um agricultor fazia num mês a máquina demorava algumas horas.

Esta tecnologia demandava dinheiro e muita coragem, e naturalmente assustava. Houve quem entendeu o processo evolutivo, adquiriu a inovação e, além de trabalhar em sua propriedade, passou a prestar serviços aos que não conseguiam, ficando com boa parte do lucro da safra.

Alguns sentiram-se velhos para embarcar nesta virada do mundo e resolveram usar a cadeira de balanço para passar o tempo, até que chegasse o seu dia de fechar as malas e partir deste mundo assustador.

Quase todas as profissões sofreram lentos ou rápidos avanços, e em todas elas, como no caso da agricultura, citado acima, nem todos conseguiram acompanhar.

Para refrescar a memória cito algumas evoluções recentes que você ou seus pais se lembrarão: o curso de datilografia era essencial para candidatos a qualquer ofício em escritórios; empresas se comunicavam com suas filiais e concorrentes pelo telex, uma máquina de escrever a longa distância; os engenheiros tinham suas pranchas para projetar construções feitas à mão e com o uso de calculadoras científicas; máquinas fotográficas utilizavam filmes de 12, 24 ou 36 fotogramas (poses) que eram revelados em laboratórios; ter telefone em casa era um luxo e poucos possuíam aparelho sem fio – hoje ele vai conosco no bolso e na maioria das vezes é usado para escrever; ao jogar boliche alguns contratavam arrumadores dos pinos para maior comodidade e rapidez; era comum ver jovens na praia com grandes aparelhos de som para ouvir músicas –o hábito permanece, mas com aparelhos praticamente invisíveis e de qualidade infinitamente superior. Todo este cenário “pré-histórico” tem cerca de 30 anos.

As inovações alcançaram também a contabilidade. Sabemos que alguns profissionais resolveram desistir, mas a grande maioria entendeu tratar-se de um processo evolutivo necessário, então investiu muito tempo – também dinheiro – para aprender e utilizar a tecnologia a seu favor.

Na Idade Média, o Frei Luca Pacioli (1445 – 1517) descobriu o registro da contabilidade com partidas dobradas. Este processo inovador deu mais segurança ao controle patrimonial.

De lá para cá muitas coisas mudaram. Inicialmente a contabilidade era escrita manualmente em livros; depois adotou-se a máquina de escrever e a transcrição para livros era feita com a tecnologia da gelatina; as máquinas foram melhoradas e a folhas eram diretamente encadernadas; com o computador os lançamentos ganharam agilidade, sendo possível alterar lançamentos, dentro do ano, a qualquer momento, sem a necessidade de fazer estornos; então surgiu a Escrituração Contabilidade Digital (ECD) e os livros não precisam ser encadernados.

Todo este processo não foi fácil de ser implementado, mas hoje é a realidade que trouxe muitos benefícios, especialmente em relação à velocidade da disponibilidade das informações para a gestão dos negócios.

Comparado com o que o Frei Luca Pacioli projetou e como fazemos 500 anos depois, certamente houve grande avanço, mas sabemos que nunca se chega ao fim do caminho do processo da evolução, então é necessário continuar os estudos e investir nas novidades.

Produtos e serviços antes com altos preços devido ao processo produtivo hoje são ofertados a preços bastante baixos, alguns até de graça para determinados públicos, a exemplo do WhatsApp, facebook e tantos outros aplicativos.

Nesta caminhada do início do século XXI é necessário que os empresários contábeis estejam atentos para as novidades tecnológicas e para as necessidades do seu público.

Os clientes desejam informações precisas, rápidas e a preços baixos, o que não é exclusividade no ramo da contabilidade.

Não é difícil atender a estes quesitos, que demandam esforço para ser conquistados, mas não estou me referindo a preços ínfimos (R$ 49,00) que certamente não permite entrega o que de melhor o cliente necessita: orientação.

O processo de inovação se inicia com a disposição de querer fazer melhor, mais rápido e com custos menores. O segredo está na DISPOSIÇÃO, coisa que os mais velhos precisam reaprender com os mais jovens.

Gilmar Duarte é Contador, diretor do Grupo Dygran, palestrante, autor dos livros “Honorários Contábeis” e “Como Ganhar Dinheiro na Prestação de Serviços” e membro da Copsec do Sescap/PR.

Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações.  Com esta obra o pequeno e médio empresário terá condições de compreender a importância da precificação correta para a sobrevivência de qualquer organização e comprovará que a mesma é menos complexa do que parece, sentindo-se motivado a implantá-la na sua empresa prestadora de serviços!Totalmente atualizada e com linguagem acessível!
Artigos

Você está Atento às Ameaças para a Continuidade da sua Atividade?

Por Gilmar Duarte

Os nossos avós se preparavam para dar continuidade às atividades de seus pais, que muitas vezes fizeram o mesmo, que também repassavam aos filhos. Hoje é necessário estar atento, pois há profissões que podem deixar de existir muito rapidamente.

Que a evolução tecnológica foi gigantesca no final do século XX ninguém duvida, mas também é inacreditável a explosão continuada no início do século XXI. Quem poderia imaginar coisas como o site de busca do Google respondendo a quase todas as dúvidas, a internet de banda larga massificada que permite estar conectado 24 horas por dia, smartphones que integram telefone e computador com altíssima resolução, velocidade e capacidade de armazenamento, GPS com inúmeras funcionalidades e tantas outras.

Todas estas tecnologias adaptadas nas inúmeras ferramentas e atividades permitem incontáveis facilidades para localizar e ofertar bens e serviços ao mercado. Quem é o mercado? Nós! Todos fazemos parte desta grande roda, mais veloz a cada dia e mais difícil de nos mantermos dentro dela.

O consumidor quando deseja um serviço ou produto rapidamente utiliza o smartphone para consultar o preço e saber onde encontrá-lo. O fornecedor que opta por não divulgar na internet reduz as chances do cliente chegar até ele, enquanto os conhecedores dos recursos disponíveis na rede mundial de computadores terão maiores oportunidades de atrair o cliente.

O serviço de táxi é quase tão antigo quanto a civilização, foi no final século XVIII que recebeu o nome de táxi por utilizar taxímetro para tarifar os percursos. Esta profissão encontra-se num momento crucial, de inovação, para atender aos anseios do mercado, caso contrário o UBER poderá sepultá-la.

A Kodak, empresa que dominou o mercado mundial de fotografia, viu a câmera digital entrar no mercado, sem acreditar que emplacaria. Errou e persistiu no erro, fabricando câmeras com filme até 2003, quando já era tarde para reagir.

A inovação é necessária em todas as áreas. Em algumas atividades acontece bem mais rápido e noutras, nem tanto, mas é inevitável ficar vigilante para não correr o risco de, ao acordar, concluir que é impossível qualquer reação. O ideal é manter-se “antenado” no mercado para inovar na sua atividade. Se esta é uma missão difícil, o jeito é colar nos mais inovadores para segui-los.

A atividade ‘Escritório de Contabilidade” também tem sido impactada pelas inovações, inclusive despertando o interesse de empreendedores estrangeiros para atuar nos serviços contábeis brasileiros.

Uma das formas de se preparar para esta possibilidade é compreender o mercado e oferecer serviços inovadores aos clientes.

A participação em congressos, fóruns e outros eventos permitem ao contador empresário obter informações acerca da sua atividade e poder agir a tempo.

Mantenha o registro gerencial da sua empresa, compare os indicadores com os meses e anos anteriores e compreenda de que maneira o mercado está agindo.

Não perca tempo para ousar e não duvide que serão necessárias muitas mudanças nos próximos anos.

Gilmar Duarte é palestrante, contador, diretor do Grupo Dygran, autor dos livros “Honorários Contábeis” e “Como Ganhar Dinheiro na Prestação de Serviços” e membro da Copsec do Sescap/PR.

Com esta obra o pequeno e médio empresário terá condições de compreender a importância da precificação correta para a sobrevivência de qualquer organização e comprovará que a mesma é menos complexa do que parece, sentindo-se motivado a implantá-la na sua empresa prestadora de serviços!Totalmente atualizada e com linguagem acessível!  Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações.

Gilmar-Duarte

Artigos

“Eu me Recuso a Reconhecer que Existam Impossibilidades”

Sempre haverá clientes que não valorizam bons trabalhos e preferem se iludir pagando valores baixíssimos em troca de serviços incompletos. Para aqueles que acreditam, a mudança pode acontecer.

O título deste artigo é a frase de Henry Ford que mais me chamou a atenção ao ler a sua história escrita por Richard Snow (pg. 271). Num tempo em que a carroça puxada por cavalos já estava totalmente consolidada como meio de transporte de cargas e pessoas, Ford, teimosamente e por vezes ridicularizado, conseguiu transformar o mundo com sua visão de futuro.

Depois que a pessoa se transforma numa celebridade é muito fácil citá-la como referência, pois quase toda a sociedade a aceita e a respeita por seu legado já reconhecido. E nós, o que estamos fazendo para contribuir com a melhoria da nossa classe e do mundo em que vivemos?

É bastante comum nos depararmos reclamando das dificuldades para ser um bom profissional, um bom empresário, um bom líder. Talvez percamos muito tempo com reclamações, quando deveríamos nos concentrar no problema, conhecê-lo, vivenciar e depurar com profundidade para buscar soluções impensáveis para solucioná-los.

Um obstáculo que afeta todas as atividades é a prostituição dos preços praticada por alguns colegas, ou concorrentes, que encontram nesta ação a única ou mais fácil forma de penetrar no mercado. A reclamação em reuniões tem tomado tanto tempo que parecem inexistir ações concretas para eliminá-la ou enfrentá-la. Muitos empresários já amadureceram e descobriram que é necessário aprender a conviver também com este aborrecimento, mas não aceitar, ou seja, se acomodar e nada fazer. 

Podemos nos inspirar em Ford, ou seja, provar insistentemente que o meio de transporte atual – carroças com tração animal – pode ser substituído por outro mais eficiente. No início parecia impossível o convencimento devido ao mau desempenho da nova invenção, mas aos poucos foram implementadas mudanças que provaram maior rendimento do automóvel: o motor já não mais soltava tanta fumaça, a velocidade era maior, a manivela para dar a partida era fácil de girar etc. Desta maneira, as pessoas foram deixando de usar o jeito antigo e passaram a desejar o moderno. 

Conquistar condições para viver com dignidade, proporcionar melhores condições de vida aos nossos colaboradores e oferecer serviços diferenciados aos clientes é o desafio de qualquer profissional bem intencionado. Aqueles que acreditam nisto devem viabilizar a união da classe e criar condições favoráveis para disseminar esta metodologia, qual seja, o serviço de qualidade é um pouco mais caro, no entanto o custo benefício é altamente vantajoso. Isto é necessário aprender e divulgar. 

Talvez sejamos ridicularizados em alguns momentos, mas se aprimorarmos a metodologia e a forma de apresentar os benefícios, certamente, num futuro próximo, seremos reconhecidos pelos clientes e sociedade como empresários de sucesso. 

Não se acomode e recuse-se a reconhecer aquilo que parece ser impossível! 

Gilmar Duarte da Silva é contador, diretor do Grupo Dygran, palestrante, autor do livro “Honorários Contábeis” e membro da Copsec do Sescap/PR.

Guia para implementação de cálculo do preço de serviços contábeis e correlatos. Escritórios contábeis e profissionais de contabilidade têm um dilema: quanto cobrar de seus clientes? Agora chega às suas mãos um guia prático, passo-a-passo, de como fazer este cálculo de forma adequada. Com linguagem acessível, a obra facilita ao profissional contábil determinar com máxima precisão o preço de seus serviços a clientes e potenciais clientes.Clique aqui para mais informações. Como Fixar Honorários Contábeis

Mais informações

Pague em até 6x sem juros no cartão de crédito! 

Comprar

Clique para baixar uma amostra!